Green Carbon

Neutralização de Carbono

Infraestrutura

Infraestrutura Green Carbon

Com infraestrutura própria, demonstramos segurança, pois o local de plantio é adequado para essa finalidade.

O Projeto Green Carbon conta com uma infraestrutura de processos e equipe, com terrenos cadastrados no INCRA, reflorestamentos dentro das normas e registrados no IBAMA, acompanhados por Engenheiros Florestais, e tudo isso dentro dos padrões ambientais de preservação de nascentes, reservas, APP e riachos.

  • Manutenção do Projeto certificado pelo IBAMA, conforme registro 301768/2013 durante todo o contrato;

  • Projeto no IBAMA/INCRA – Guias, projeto para liberação do plantio dentro das leis brasileiras vigentes (Atendendo a legislação atual do IBAMA e INCRA);

  • Projeto dentro dos padrões CBMF (Conselho Brasileiro de manejo Florestal);

  • Reserva 100% legal;

  • Neutralização através de plantio de árvores em terrenos próprios dentro dos conceitos da FSC (Forest Stewardship Council);

  • Garantia que dentro de 8 anos, as árvores estarão neutralizando o carbono;

  • Replantio em caso de morte da árvore;

  • Roçadas mecanizadas até o 4º ano após o plantio;

  • Infra estrutura de tratores, equipamentos e equipe.

Sobre o Plantio e a Espécie Pinus Taeda

Definição das áreas de plantio: Essa atividade é baseada na legislação ambiental e nos levantamentos prévios além de ser monitorada pelo responsável técnico. Também analisa-se a viabilidade do solo, relevo, altitude e a cobertura vegetal já existente no terreno.

Cuidado com as mudas: As mudas do projeto são cuidadosamente armazenadas classificadas por tamanho. Durante o armazenamento elas são tratadas e monitoradas, caso houver desvio no padrão de qualidade o fornecedor é acionado e a muda tem destino diferenciado.

Plantio das mudas: O Plantio é sempre realizado após a definição das áreas. O procedimento de plantio é meticuloso, respeitando o espaçamento entre as mudas, profundidade e a posição que a muda ficou plantada.

O plantio para o projeto Green Carbon, é feito em lotes mínimos de 20.000 árvores da espécie Taeda, ou seja 10ha por vez. Logo, é realizado a estimativa da UMF (unidade de manejo florestal) do cliente, onde é reservado a área de terra adequada para comportar o plantio.

Por que Pinus Taeda?

O projeto Green Carbon iniciou em 2004 buscando qual a melhor espécie para a neutralização de carbono, onde estudou várias espécies de árvores analisando seu potencial de crescimento em solo adequado (corrigido), sua composição da madeira para saber a densidade de carbono, altura, peso, clima, altitude, entre outros aspectos e concluiu em final de 2005 que a melhor espécie para esta região seria o Pinus.

Existem várias espécies de Pinus, como P. Elliottii, P.Taeda, P. Caribaea, P.Ocarpa, P. Tecunumanii, P. Brutia, P. Maximinoi e P. Patula. Dentre essas, constatou-se que a espécie Taeda possui uma capacidade de crescimento 30% maior que as demais espécies e com isso a maior captura de carbono.

Levando-se em consideração 2.000 árvores por hectare, o Pinus Taeda chega a captura de carbono de 26,6 Ton/ano por hectare.

Se plantássemos Peroba por exemplo, a densidade por hectare não seria superior a 11 plantas e captura máxima de carbono não passaria de 2,1 Ton/ano.

Sendo assim, a NDD optou pelo Pinus Taeda, pelo fato que o propósito do projeto Green Carbon é a captura de carbono efetivamente e essa espécie cumpre o objetivo proposto com maior eficácia comparada a outras.